MUNICÍPIO DE GRANJA TEVE A MAIOR INCIDÊNCIA DE RAIOS NO CEARÁ

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/polopoly_fs/1.1827062!/image/image.jpgA quadra chuvosa no Ceará está distante, no entanto, o Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou valores mais precisos da incidência de raios no Estado e no País. O valor médio anual no Brasil foi de 77,8 milhões por ano, superior a 2002, que apontava cerca de 55 milhões de raios. No ranking nacional, o Ceará ocupa a 19ª posição com 2,6 raios por quilômetro quadrado no ano e a região Norte concentra a maior densidade da descarga atmosférica.

Granja, Chaval, Martinópole, Uruoca, Moraújo, Forquilha, Barroquinha, Viçosa do Ceará, Camocim e Frecheirinha, são, respectivamente, os mais atingidos por raios no Ceará. Em Granja, que fica cerca de 300Km da capital, Fortaleza, a densidade chega a 9,63 raios por quilômetro quadrado, número bem acima da média estadual.

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) explica que a região Norte do Estado possui uma maior incidência em relação às demais regiões porque é uma das mais chuvosas. Como os raios estão associados a nuvens mais desenvolvidas, eles, geralmente, surgem relacionados às precipitações. No Ceará, a incidência é influenciada pela Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principalmente, durante a quadra chuvosa (fevereiro a maio). Neste caso, as nuvens mais desenvolvidas atuam na região Norte por um período maior.

No Brasil, os novos dados apontam que 2012 registrou o número máximo de raios, 94,3 milhões em todo período analisado, de 2000 a 2015. Isso se justifica pelo efeito dos fenômeno La Niña ocorrido naquele ano. No entanto, o Elat registrou uma diminuição nos anos seguintes. Porém, em 2015, o número de descargas elétricas atmosféricas voltou a subir para 68,6 milhões.

Em média, cerca de 300 pessoas são atingidas por raios todo ano e cerca de 100 pessoas morrem em decorrência disso no Brasil. De 2000 a 2014 aconteceram 1.792 mortes. O número, embora tenha reduzido nos últimos anos, em parte devido à redução de raios, ainda é muito alto comparado a países desenvolvidos. A cada 50 mortes no mundo, uma acontece no País. No Ceará, em abril deste ano, duas pessoas morreram e 20 ficaram feridas atingidas enquanto tomavam banho de açude, em Russas.

A Enel Distribuição Ceará orienta a população que o local mais seguro durante as tempestades é dentro de casa de alvenaria, mas que evite contato com aparelhos eletrônicos ligados à rede externa de eletricidade, pois um raio pode atingi-la e propagar a descarga. “A pessoa pode utilizar celular e notebook desde que não esteja conectado a rede”, explica Eduardo Gomes, gerente de operação e manutenção da empresa.

Do lado de fora de casa, o cuidado tem que ser ainda maior. A pessoa tem que evitar tocar em grades de ferro, portões de alumínio e cercas, que conduzem eletricidade. Eduardo Gomes também recomenda não tomar banho de açude, mar ou piscina e evitar se abrigar sob árvores. “As pessoas costumam se abrigar em árvores isoladas, mas, quando o raio chega na altura da planta, normalmente ela será melhor condutora de energia que o ar”, completa.

com informações do Diário do Nordeste
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *